Garçonete brasileira ajuda a salvar menino de 11 anos que sofria abusos nos EUA

Segundo o relato da brasileira à polícia, a criança estava no restaurante abatido, com escoriações no rosto e não queria comer

Garçonete brasileira ajuda a salvar menino de 11 anos que sofria abusos nos EUA
Foto: Divulgação

A garçonete brasileira Flaviane Carvalho ajudou a salvar um menino, de 11 anos, que sofria abusos e maus-tratos do padrasto com a conivência da mãe.

Notando que havia algo de errado com o jovem, Flaviane escreveu em uma folha de papel: “Você precisa de ajuda? Ok”, mostrou para a vítima sem que os pais percebessem e a criança acenou com a cabeça dizendo que “sim”.

Segundo o relato da brasileira à polícia, a criança estava no restaurante abatido, com escoriações no rosto e não queria comer, o que lhe chamou a atenção. “Eu percebi que todos à mesa receberam a comida, menos a criança. Isso chamou a atenção e eu fui até lá e perguntei se havia algo de errado com a comida ou com a água. O padrasto me disse que não havia nada de errado e que o garoto já tinha comido em casa naquela noite. Como mãe, aquilo me soou muito estranho porque a gente não deixa de dar comida para uma criança, especialmente em um restaurante”, relatou.

O garoto vestia uma blusa com capuz, máscara no rosto e óculos escuros, o que impedia de ver o seu rosto. A garçonete percebeu que o jovem tinha um grande arranhão no meio da sobrancelha e um machucado, que parecia ser de um espancamento, na lateral dos olhos. Nesse momento, ela teve a ideia de escrever um primeiro bilhete perguntando “você está está bem?” e o menino respondeu com a cabeça que “não”.

“Eu vi que ele estava com medo ou desconfortável e precisava de ajuda. Minutos depois, eu escrevi um outro bilhete perguntando se ele precisava de ajuda e ele respondeu com a cabeça que ‘sim’. Depois ele cruzou as mãos diante do peito mostrando que não sabia o que fazer. Eu liguei para a polícia e, minutos depois, a polícia chegou e tratou a situação de forma incrível”, contou Flaviane.

Os pais foram presos e, segundo as investigações, o padrasto, Timothy Wilson II, torturava o enteado em casa e praticava todos os tipos de abusos. Em seu depoimento, o menino contou que suas mãos eram amarradas em torno de seus tornozelos e pescoço e chegou a ser pendurada de cabeça para baixo em uma porta.

“Ele disse que apanhou com uma vassoura de madeira e foi algemado e amarrado a uma grande carreta móvel. Ele também disse que não comia regularmente como punição”, explicou a polícia. “Eram abusos horríveis”, afirmou a corporação.

De acordo com as autoridades, a mãe, Kristen Swann, afirmou que sabia sobre o abuso e não procurou atendimento médico para seu filho.

A vítima foi levada para passar por exames médicos, onde outros ferimentos e detalhes foram descobertos.

 

*Com informações do Uol*